• Luiza Camargo Mendes

Que tal deixar de lado as dietas e passar a ouvir você?

Ao se fazer essa pergunta o que gera em você?


Essa é uma pergunta que pode gerar um desconforto ou medo de saber o que comer, quando comer, o que comer, quanto comer... não é? Pode ter medo de perder o controle, se não tem o "chicotinho" do pode / não pode.


Quando me refiro a dieta são as que apresentam uma lista de proibições e restrições de vários tipos, desde um grupo de alimentos (carboidratos ou pães e massas ou zero açúcar, por exemplo) até calorias.


As dietas funcionam como um controlador e trazem mensagens do pode / não pode, certo / errado, saudável / não saudável, calórico / zero caloria, devo / não devo, está na hora / não está na hora ... Ignoram completamente a pessoa que vai comer.


Uma outra resposta a essa pergunta é a liberdade de escolher a comida, ter autonomia em ouvir seu corpo e selecionar o que é melhor para você naquele momento.


"Quando desistimos de fazer dieta, retomamos algo que havíamos abdicado sem perceber: nossa própria voz. Nossa capacidade de tomar decisões sobre o que comer e quando. Nossa crença em nós mesmos. Nosso direito de decidir o que entrará em nossas bocas. Ao contrário das dietas que surgem todos os meses nas revistas, das cintas térmicas que fazem transpirar e perder vários quilos, ao contrário de um namorado, de um amigo ou de um carro, o seu corpo é confiável. Não vai se afastar de você, sumir ou ser roubado. Se você ouvir, ele vai falar." Geneen Roth





O convite para parar de fazer dietas e entrar em contato com você, com os sinais de seu corpo e suas necessidades é um caminho para recuperar sua autonomia em saber o que comer, o quanto comer e quando comer.


Reaprender a escutar o que a fome te diz - quais os sinais ela te mostra para falar "estou com fome"?


E ao sentir os sinais de fome, você honra sua fome e escolhe o que comer ou a ignora?


Essas são algumas perguntas para se aproximar e respeitar os sinais de fome. Nem sempre são claros, mas estão presentes para você. Ao se permitir ouvir os sinais de fome eles vão surgindo e ficando mais claros.


A fome é um sinal de que o corpo precisa de algum alimento para ser nutrido. Podemos nos aproximar dele e respeitar esses sinais. Também nos dá o sinal de que o corpo está cheio e não precisa de mais comida - está saciado.


Um dos princípios do Mindful Eating, segundo The Center for Mindful Eating é:

"Notar as sensações físicas de fome e saciedade para orientar sua decisão em começar e parar de comer."


Honrar os sinais de fome e saciedade é um respeito a você, a sua voz interna, a sua sabedoria, ao seu corpo e mente. Confiar em você.


Para trilhar esse caminho cada pequeno passo é festejado e a pressa por soluções milagrosas e rápidas estão longe. Cada pessoa tem seu próprio ritmo em ouvir esses sinais.


Recuperar a sua sabedoria interna é algo que pode preencher seu corpo de alegria, satisfação e contentamento, e isso também é muito nutritivo.


Experimente!



Referência:

Geneen Roth. Liberte-se da fome emocional. Lua de papel. 2011.

The Center for Mindful Eating. <www.thecenterformindfuleating.org>


7 visualizações

Siga Luiza Camargo Mendes:

  • Facebook Social Icon
  • Google+ Social Icon
  • LinkedIn Social Icon
  • Instagram Social Icon